Neurologia

24 de setembro de 2015

Paraplégico volta a andar utilizando transmissor Bluetooth




Permitir a locomoção de pessoas que perderam a capacidade de andar é um desafio que a ciência vêm tentando vencer há algum tempo. Um vídeo da última quarta-feira (23) mostra uma implementação que não utiliza robôs ou hidráulica, apenas os impulsos nervosos do cérebro.

Com um transmissor e um receptor Bluetooth, um time de cientistas da Universidade de Irvine, na Califórnia, conseguiu transmitir sinais do cérebro do de Adam Fritz diretamente para suas pernas – com o auxílio de computadores. Isso essencialmente faz com que o impulso "pule" a parte danificada de sua espinha dorsal e chegue a eletrodos colocados em seus joelhos, o que controla os músculos.

A iniciativa difere de outras da área por não depender de nenhum tipo de cabo ou mecanismo robotizado. Nesse caso, o que se move são os músculos da perna do paciente que se movem e não uma máquina.

É claro que este caminho também cria outras dificuldades. Como são os músculos que movimentarão o paciente, é necessário fazer extensas sessões de reabilitação para fortificar os músculos das pernas, uma tarefa difícil quando o paciente não consegue movê-las ou senti-las.

Como é possível ver no vídeo abaixo, Fritz utiliza um andador e possui um suporte no teto que o mantém em pé, o que mostra que a tecnologia ainda está em seu início – e não há previsão de uso em casos fora da academia americana –, mas os avanços apontam para um futuro animador. Segundo o próprio Fritz, "quando você se machuca, fica sentado no hospital esperando que possa andar novamente. Quando isso aconteceu de verdade, foi como um sonho tivesse se tornado realidade".


http://info.abril.com.br/noticias/ciencia/2015/09/paraplegico-volta-a-andar-utilizando-transmissor-bluetooth.shtml



Comentários ()

23 de setembro de 2017 às 11:59

fitflops sale clearance disse:

index.php?site=
16 de setembro de 2017 às 08:18

cheap nike shoes disse:

index.php?site=
14 de fevereiro de 2016 às 15:28

1 disse:

1
14 de fevereiro de 2016 às 15:28

1 disse:

-1'
14 de fevereiro de 2016 às 15:28

1 disse:

1
14 de fevereiro de 2016 às 15:28

1 disse:

1
14 de fevereiro de 2016 às 15:28

1 disse:

1


Deixe seu comentário

Seu Nome:

Seu Email:




Leia mais

Cientistas conseguem "desligar" cromossomo da síndrome de Down

Cientistas da Universidade de Massachusetts conseguiram silenciar o cromossomo extra da trissomia 21, também conhecida como síndrome de Down. Os cientistas fizeram o estudo em células, mas acreditam que a descoberta pode pavimentar o caminho para estabelecer terapias potenciais contra o mal. O estudo foi divulgado na revista Nature.

Pesquisa da USP cria técnica que reduz enxaqueca com fisioterapia

Fisioterapia na região do pescoço ajuda a amenizar sintomas da doença.
Foco são mulheres com restrições a remédios, como gestantes.


A Fisioterapia e a síndrome de Down

A avaliação inicial da criança com Síndrome de Down deve ser holística, sendo importante estar alerta aos problemas associados à síndrome, tais como hipotonia, redução da força muscular, hipermobilidade articular, pés planos, escoliose, alterações respiratórias, instabilidade atlânto-axial, doença cardíaca congênita, deficiências visual e auditiva, presença de doenças convulsivas. Com esses dados, o fisioterapeuta é capaz de analisar as necessidades de cada criança e de sua família, planejando orientações e intervenções apropriadas para cada situação.



a Fisioterapeuta .com
Tendências da profissão de Fisioterapia. Debates e comentários sobre teorias, salários, especializações, vagas, empregos, concursos e muito mais
Projetado por Ronnan del Rey